Caixa Animais Peçonhentos

Caixa animais peçonhentos fabricada pela Campion em policarbonato ou PTG de alta resistência para a proteção do manipulador e do animal.

A caixa animais peçonhentos é o equipamento ideal para a captura e transporte dos animais até um local seguro. O projeto inclui furos para a passagem do ar e troca de temperatura sem enfraquecer a estrutura da caixa.

Caixa para Captura de animais Peçonhentos

De acordo com o Corpo de Bombeiros a caixa animais peçonhentos está entre os equipamentos necessários para a captura de animais:

  • Gancho para Ofídios – É equipamento fundamental para lidar com serpentes e pode ser usado para dirigir o movimento de elevação e fixar a cabeça de qualquer cobra no chão, permitindo o manipulador agarrá-la com segurança. O gancho deve ser passado próximo ao seu terço médio e requer a uma altura aproximada de 30 cm do solo. Caso o animal suba pelo cabo deve-se
    provocar um tranco ou soltar o animal no chão para recapturá-lo.
  • Puçá – o arco do equipamento deve ser protegido com material macio para evitar que o animal se machuque. O diâmetro deve ser no mínimo da altura do animal capturado e o saco deve ter no mínimo o dobro do tamanho do diâmetro da abertura do arco, para possibilitar o giro do puçá ao prender o animal. A malha deve ser menor do que a boca, focinho, pata e coxa do animal, para evitar que algum destes passem pelo puçá. O cabo deve ter duas vezes o tamanho do
    animal.
  • Redes Retangulares – redes retangulares podem ser usadas para realizar a contenção, devendo ser estendidas de forma que, no momento em que o animal correr e passar sobre ela, ocorra seu recolhimento, efetivando-se a contenção.
  • Laço de Lutz, pau de couro ou cambão – assevera que o laço ou cambão pode ser usado para conter diversas espécies, e que um bom cambão é aquele que permite segurar o animal de forma a sufocar o mínimo possível e que permita um fácil sistema de soltura do laço que segura a espécie.
  • Tubos ou mangueiras de plástico – as mangueiras de plástico devem ser transparentes e seu diâmetro, um pouco maior do que o diâmetro da serpente para que o animal não consiga virar-se dentro da mangueira. Os tubos de plástico podem ser usados para contenção de serpentes, sendo facilmente colocados pela cabeça do animal.
  • Caixas de transporte – As caixas de transporte podem ser de madeira ou plástico, devendo-se observar o tamanho do animal. Tais caixas devem possuir respiradores que permitam a ventilação, podendo ser confeccionadas em telas ou chapas de aço galvanizado com orifícios. A caixa deve reduzir a visibilidade do animal com o ambiente externo, utilizando panos, jornais, etc…, sempre permitindo a troca suficiente de ar;
  • Equipamentos de Proteção Individual – Luva (raspa de couro), capacete, coturno, vestimenta ambiental, lanterna e óculos.

Técnica mais adequada para captura de repteis e serpentes

A utilização do cambão deve se dar de forma a conter a região logo abaixo da cabeça e jamais deve-se permitir que a cabeça do animal sustente seu peso, devendo-se usar a mão livre para segurar o corpo.
Tubos de plástico de diversos tamanhos e caixas de contenção também são ferramentas excelentes para conter ofídios peçonhentos. Segundo Fowler (2008), as serpentes podem quebrar o pescoço se forem sustentadas somente pela cabeça, pois se mexem muito. Os ganchos e pinções para
serpentes são fundamentais, pois permitem realizar diversos movimentos como: segurar a cabeça contra o chão para permitir que o manipulador agarre a com segurança. Porém, jamais deve-se apertar o pescoço,
pois o animal pode até parar de comer após ser solto e vir a morrer de fome.
Outra técnica apresentada por Fowler (2008) é utilizar um escudo transparente.

Aproxima-se o escudo próximo da cabeça da cobra e, posteriormente, imobiliza-se a cabeça com uma leve pressão, possibilitando o manuseador dominá-la.
Para cobras peçonhentas Fowler (2008) recomenda o uso de tubos de plástico, pois permitem ao manipulador trabalhar com segurança, além de machucar menos o animal. Os tubos devem ser medidos de forma que a cobra não possa passar por ele. Com um pinção segura-se o tubo, e quando a cobra estiver com um terço do seu corpo para dentro, deve-se segurar com uma mão tanto a cobra quanto a borda do tubo, de forma que o animal não recue. Jamais se deve segurar o tubo com uma mão e a serpente com outra, pois o animal pode recuar e morder o manipulador. O uso de tubos não é recomendado para cobras grandes. O transporte das serpentes deve ser realizado em caixa de policarbonato ou de vidro, para viagens de tempo curto. Os répteis devem ser protegidos de altas e baixas temperaturas. Pode-se usar sacos para o transporte de cobras, procedimento muito comum para serpentes peçonhentas.

Título

Ir ao Topo