novembro 25, 2021

O Indac agora é ILAC – Instituto Latino- Americano do Acrílico

Instituto fundado no Brasil em 2001 para representar empresas do setor do acrílico se expande e passa a atuar agora em toda a América Latina; entre os benefícios da ação está o compartilhamento de informações entre os associados.

O INDAC – Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico – passa a partir deste mês a se chamar ILAC – Instituto Latino- Americano do Acrílico. A mudança é fruto do trabalho de integração das empresas do setor de acrílico na América Latina e tem como objetivo inicial a troca de informações e conhecimento sobre aplicações finais e processamento do acrílico em cada um dos países que participam ou virem a participar do grupo. Segundo Marcelo Thieme, presidente do ILAC, o trabalho feito pelo INDAC nos últimos 20 anos mostra que a troca de conhecimento tende a promover de maneira natural a ampliação do uso do acrílico em diferentes projetos e aplicações. Assim, por meio deste canal que se abre, os transformadores brasileiros terão acesso a informações de produtos e projetos feitos fora do país. “Essa é uma integração importante porque nos permitirá trocar experiências com empresários de outros países que possuem mercados mais maduros e já mais adaptados à forte concorrência asiática, como Argentina e Colômbia, por exemplo”, explica Thieme.

Na prática isso é o que o INDAC já faz desde 2001, quando foi fundado. Assim, o Instituto segue com o objetivo de promover o uso correto do acrílico, além de difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações. O que muda agora é seu alcance. Além das 30 empresas brasileiras associadas, entre elas:

  • Acriresinas,
  • Actos,
  • Acrilaria,
  • Acrílico Design,
  • Acrilmarco,
  • Acrimax,
  • Acrinox,
  • Acriplanos,
  • Art Cryl,
  • Brascril,
  • Bold,
  • Campion,
  • Castcril,
  • Cristal e Cores,
  • CutLite,
  • Day Brasil,
  • Emporium,
  • Inkcryl,
  • Menaf,
  • Mitsubishi,
  • Osvaldo Cruz,
  • Proneon,
  • JR Laser,
  • Sheet Cril,
  • Tronord,
  • Tudo em Acrílico
  • Unigel,

Juntam-se ao quadro as empresas Paolini, da Argentina, e Formaplax, da Colômbia. A adesão da Plastiglas, do México, empresa que faz parte do grupo Unigel, está sendo estudada e pode acontecer já no próximo ano, acredita Thieme.

E esse é só o começo, diz João Orlando Vian, consultor executivo da entidade. A ideia é de que, na medida que o Instituto for ganhando mais visibilidade fora do país, novos associados se juntem ao grupo. O trabalho de divulgação, a princípio, será bastante focado na internet, conta Vian:

“Todos esses anos de INDAC nos deu uma boa experiência sobre o que funciona para esse setor.”

O website do ILAC, por exemplo, serve como um portal que abriga os mais diversos tipos de informações sobre o universo do acrílico no Brasil. Isso faz com que todas as buscas pelo produto sejam quase que automaticamente levadas a nós e, consequentemente, aos nossos associados. Através dos nossos canais na internet também estimulamos designers, arquitetos e especificadores a conhecerem melhor o acrílico e todas as suas aplicações. E é esse know-how que devemos agora ampliar para todo o mercado latino.”

O mercado latino-americano de acrílico, aliás, é bastante expressivo. Juntos, os países do bloco consomem anualmente cerca de 50 mil toneladas do produto, segundo estimativa do ILAC. E esse é um número que também pode aumentar, diz Vian:

“Percebemos isso quando comparamos o nosso consumo per capta do acrílico com o de países mais desenvolvidos. Isso mostra que ainda temos bastante trabalho a fazer, principalmente no que diz respeito à conscientização dos especificadores, que deixam de usar o produto porque não conhecem todas as suas vantagens e aplicações.”

Além da falta de conhecimento dos especificadores, diz Antonio Paolini, presidente da Paolini – da Argentina, a busca por preços mais baixos também afeta as empresas do segmento em todo o mercado latino-americano. Em um breve comparativo entre Brasil e Argentina, por exemplo, ele comenta que em ambos os mercados, por questões econômicas, os clientes procuram os materiais transparentes mais baratos possíveis para seus projetos. E isso acontece em detrimento a qualidade ou a vida útil desses produtos. Na prática acontece ainda que os produtores de chapas instalados na região tenham que competir com a importação de chapas de baixíssima qualidade ou mesmo com fornecedores de outros materiais plásticos como PS, PET, PC e, em menor medida, PETG. “Precisamos continuar trabalhando para que os processadores, clientes e usuários finais entendam as diferenças e a melhor maneira de tratar e manter o acrílico”, afirma Paolini.

O executivo argentino vê com otimismo essa integração das empresas do setor por meio do ILAC, principalmente no que diz respeito à defesa do mercado regional face a importação de produtos acabados da Ásia. “Compartilhar informações sobre nossos negócios, aplicações e sermos capazes de trabalhar juntos é um passo muito importante. Desta forma, podemos juntos aumentar os mercados e defendê-los das importações do Sudeste Asiático. Por lá, eles têm vantagens de custo de matérias-primas e custos de mão de obra, além da escala de produção, o que faz com que nossos clientes daqui se sintam tentados a importar”, explica Paolini.

A Argentina que, assim como o restante do mundo, vem sofrendo com as consequências da pandemia de COVID-19, deve fechar este ano com uma comercialização de chapas acrílicas bem abaixo das 2.000 toneladas. Isso representa um encolhimento de 50% do seu mercado tradicional. Entre as principais aplicações por lá estão as divisórias de ambientes e outros itens ligados à decoração e mobiliário. Em seguida vem o mercado de construção civil, seguido de comunicação visual. Demandas por banheiras e box de banheiros feitos em acrílico, além de iluminação também são fortes no país.

Já no Brasil, é o mercado de comunicação visual quem lidera o consumo do acrílico, seguido de longe pelo segmento moveleiro. Em diferenças como essas que podem, por exemplo, estar o segredo de novos negócios para os dois países.

“Para o mercado brasileiro a principal benefício estará em aprender como deixar um pouco de lado a visão de preço e partir para o desenvolvimento de novas aplicações. Apostar no requinte e em segmentos ainda menos explorados, mas com alto potencial comercial, como o da construção civil, assim como fazem Argentina e México é um caminho.”, adiciona Thieme.

Para Sandra Cavalcante, gerente de contas das Américas do Sul e Central da Mitsubishi Chemical, a integração do mercado, por meio de um agente fomentador, pode abrir caminho não apenas para a troca de experiências sobre produtos, mas também servir de alicerce e ponto de partida para uma aproximação, inclusive comercial dos países. “Esse movimento permitirá incrementar a troca de detalhes como o das boas práticas de uso, fabricação e cuidados com o acrílico. Outra modalidade a ser considerada é Zona de Livre Comércio, que consiste na eliminação das barreiras tarifárias e não-tarifárias que incidem sobre o comércio entre os países constituintes”, comenta a executiva.

É um grande prazer para a Campion fazer parte da organização.

Posts relacionados